Agregando jardins suspensos à arquitetura residencial

Escrito por Lilly Cao | Traduzido por Eduardo Souza para o ArqDaily

Agregando jardins suspensos à arquitetura residencial
Imagem: Greenery Curtain House / HGAA. Image © Duc Nguyen

Se as fontes helênicas antigas estiverem certas, jardins suspensos existiram pelo menos desde a antiguidade, quando os famosos jardins da Babilônia foram descritos por escritores como Heródoto e Filão de Bizâncio.

Hoje, os jardins verticais proliferaram junto com o interesse por plantas e jardins internos, especialmente em climas adequados. Essa tendência na arquitetura reflete um aumento simultâneo no interesse pela sustentabilidade e um estilo de vida mais conectado à natureza.

Imagem: Ster House / DELUTION. Image Courtesy of Delution Architect

Jardins internos e o fascínio visual de plantas suspensas e trepadeiras fornecem o cenário para essa vida. Esses projetos verticais simultaneamente conservam espaço e incorporam as plantas na atmosfera da casa, garantindo que o espaço pareça tanto um jardim quanto uma casa confortável.

Para instalar jardins verticais corretamente, os arquitetos devem prestar atenção ao clima; tipos de plantas; condições de crescimento e de vida, como luz, umidade, solo e água; espaço; e, claro, o seu desenho. A dificuldade de extensos jardins internos não é apenas garantir que as plantas escolhidas sejam esteticamente agradáveis e adequadas ao ambiente, mas que as próprias condições da casa permitam que elas floresçam. 


Esta é uma curadoria de conteúdo feita pela Reed Exhibitions sobre o setor. Para continuar lendo sobre jardim suspensos à arquitetura residencial, leia o conteúdo completo produzido pelo ArqDaily.